sábado, 18 de agosto de 2012

OMG!!! Ele caiu na Escola!!!!

Chamem o departamento médico! Liguem para 193! Corram em desespero! A criança caiu na escola!!!


Em toda a minha vida profissional, o que mais vi acontecer foram acidentes nas escolas. Dos mais diversos tipos, dos mais impensáveis modos e com os mais  variados resultados.

Vi crianças perderem dentes, vi testa rachada, braço quebrado, mordidas e arranhões dos mais variados. Vi as reações mais variadas das crianças e de pais. Vi crianças corajosas (mais que eu) e vi pais culparem funcionários e professores pelas quedas acidentais de seus filhos.

Sempre achei que nunca conseguiria agir calmamente numa situação de acidente grave, nunca achei que saberia o que fazer. No meu caso, tenho treinamento para isso, curso obrigatório para quem lida com crianças nos EUA, mas nunca me achei preparada. A verdade é que na hora H, soube o que fazer, e no fim, deu tudo certo.

Mas, de quem é a culpa? Que reação ter ao constatar um ferimento no seu filho, ou a receber um telefonema com uma notícia dessas??
Obviamente, deve ser analisado o risco, a situação e o grau do acidente. Foi causado por falta de infraestrutura? Relapso? Escola em má conservação? Se isso for constatado, a escola deve ser responsabilizada ou punida. No entanto a maioria dos acidentes são bem vindos. 

Bem vindos?? Como assim?

Criança que cai é criança que brinca. E isso é ÓTIMO. Ela cai porque testou seus limites, testou suas habilidades e arriscou coisas novas. Não é extraordinário quantas coisas as crianças aprendem brincando?
Cair faz parte da aprendizagem, ao cair ela entende seus limites, e a cada dia tenta superá-los. Por mais que pais e professores gritem aos 4 cantos - Não corre!! Eles vão sempre correr... e só vão parar quando provarem para si mesmos que foram longe de mais.

Temos na escola um aluno de 3 anos que consegue dar "mortais", cambalhotas e piruetas. Tudo incentivado pelos pais. Ele vive se machucando, e a gente desesperada tentando conter o menino. Impossível. Um dia, ao comentar com a mãe dele que uma hora ele acabaria quebrando um braço, a mãe (médica) nos respondeu: "- Se quebrar, conserta!!!"  Entendi ali, que é mesmo impossível conter uma criança de explorar o mundo. Basta olhar no nosso próprio corpo, observar nossas cicatrizes e nos lembrarmos das histórias que elas contam.

PS: Update: recentemente encontrei esse artigo que fala exatamente sobre isso. School ditches rules and loses bullies Fala sobre incentivar brincadeiras arriscadas mas que desafiam a criatividade deixando as crianças mais livres, sem regras e experimentando coisas que normalmente não seriam permitidas por serem muito "perigosas"

Um comentário: